Diminuição no número de óbitos por Covid após exigência de CPF nas notificações

Uma das fake news que eu visualizei no Facebook foi postado por uma pessoa conhecida no dia 26 de março de 2021, às 12:34. Embora só tivesse tido apenas uma curtida, a referida pessoa conta com 1.255 amigos no Facebook, possibilitando que a notícia tenha uma significativa propagação e visualização (disponível em https://www.facebook.com/luis.souza.35762241).

A notícia afirma que houve uma diminuição expressiva no número notificações de mortes por covid a partir do momento em que o ministério da saúde passou a exigir o CPF e o cartão do SUS na notificação do óbito. O texto e a foto de fundo nos levam a deduzir que o governador de São Paulo está manipulando os dados sobre o número de óbitos e que o ministério da saúde está agindo corretamente.

Para averiguar essa informação pesquisei no site Google se realmente havia tido alguma orientação do ministério da saúde que levasse ao entendimento propagado na notícia. A primeira notícia que encontrei, intitulada “Ministério da Saúde muda sistema e número de mortos por covid-19 despenca artificialmente em SP” e disponível no link https://valor.globo.com/brasil/noticia/2021/03/24/ministerio-da-saude-muda-sistema-e-numero-de-mortos-por-covid-19-despenca-artificialmente-em-sp.ghtml, apresenta informações mais completas e elucidativas. A notícia diz que o Ministério da Saúde passou a exigir CPF, número do cartão nacional do SUS e a nacionalidade do paciente, alterando, portanto, os critérios de registro de mortes e desconsiderando a instabilidade do sistema para registro, o que impediu a totalização dos óbitos. Além disso, por problemas técnicos do sistema, ao informar o CPF o registro com as informações não é “puxado”, inviabilizando a computação da morte. Ou seja, a alteração do registro junto com o problema técnico está impactando no monitoramento e totalização dos casos.

Outros resultados da pesquisa, BBC News e jornal Folha de São Paulo disponíveis em https://www.bbc.com/portuguese/brasil-56518265 e https://www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/2021/03/apos-criticas-ministerio-da-saude-suspende-mudancas-no-registro-de-mortes-por-covid-19.shtml, confirmaram o relatado na primeira notícia e ainda trazem o recuo do governo, ou seja, a suspensão da mudança no registro das mortes. A seguir imagem de uma parte da ficha inicial de paciente.

Realizei também uma pesquisa no Boletim Diário COVID-19 do dia 24/03/2021,  mesmo dia da publicação das notícias. O boletim, disponível em https://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/upload/saude/20210324_boletim_covid19_diario.pdf,  apresenta por meio de gráficos e tabela com informações de 2020 e 2021, dados mensais e diários, os casos confirmados e óbitos até aquele momento, que deixam claro o avanço da doença, a quantidade de casos, internações, ocupações hospitalares, altas e óbitos. Tais informações, no entanto, apresentam dados complemente diferentes do apresentado no post, ou seja, a quantidade de óbito ainda é alta.

Portanto, trata-se de uma notícia distorcida, pois o quantitativo de óbitos diminui por conta da mudança de critérios e do sistema para sua contabilização, uma vez que os dados produzidos pela Prefeitura de São Paulo apontam oposto do divulgado no post.

  1. 28 de abril de 2021 - Responder

    Nossa da forma que foi postado a gente imagina uma distorção dos números para maquiar a situação e verificando a checagem é notório que o que foi modificado foi o critério para registro desses óbitos uma enorme diferença .

Deixe uma resposta para Janaína de Oliveira da Silva Cancelar resposta